Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Destaque

Palestra Sustentabilidade Regional realizada 24 de maio em Maracaju, MS

Alcir Muller, diretor e presidente da Revista Ambiente Global A equipe Ambiente Global agradece as autoridades que se fizeram presente ...

Fazenda Beira Rio

Fazenda Beira Rio

Samania Agropecuária

Samania Agropecuária

Doces Gotas de Mel

Doces Gotas de Mel

Publicidade

.

.
SEMENTES SERTÃO

Você bilíngue

Publicidade II

Ads

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Projetos para reduzir emissão por desmatamento são incipientes, diz MMA

De 18 analisados, somente 12% já estão implementados.
Brasil vai defender mecanismo de conservação na COP 15.


O Serviço Florestal Brasileiro, ligado ao Ministério do Meio Ambiente, apresentou nesta terça-feira (24) seu primeiro levantamento das ações de Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação (REDD) realizadas no país.

Basicamente, o REDD consiste na conservação de áreas de floresta para evitar que, ao desmatadas, emitam carbono para a atmosfera e contribuam para o aquecimento global.

O ministério informa que, de acordo com o levantamento, os projetos ainda são incipientes. Apenas 12% deles estão implementados, 53% estão em fase de elaboração e os outros 35% ainda estão negociando créditos e captando recursos.


Dos 18 projetos apresentados, 15 estão na região amazônica e 2 no Vale do Ribeira, no Paraná. Eles estão distribuídos em propriedades públicas, privadas e terras indígenas.

COP 15

Segundo informações do MMA, o governo brasileiro vai defender a ideia desse mecanismo de redução de emissão de gases de efeito estufa nas negociações da conferência internacional do clima em dezembro, em Copenhague (COP 15).
As fontes de financiamento são fundos públicos, o mercado de crédito de carbono e de responsabilidade social corporativa (RSC). As instituições envolvidas na administração dos projetos de REDD são empresas, ONGs e governos.
Presente à apresentação do levantamento, o ministro do Meio Ambiente Carlos Minc explicou que os projetos de REDD abrangem cerca de 460 mil km². Como a referência de cálculo é a tonelada de carbono por hectare, se nas negociações de Copenhague for estabelecido um preço médio de U$ 5 dólares por hectare, o país pode captar U$ 230 milhões apenas com estas primeiras iniciativas.

Globo Amazônia 
 


Postar um comentário

Publicidade II