Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Destaque

Palestra Sustentabilidade Regional realizada 24 de maio em Maracaju, MS

Alcir Muller, diretor e presidente da Revista Ambiente Global A equipe Ambiente Global agradece as autoridades que se fizeram presente ...

Fazenda Beira Rio

Fazenda Beira Rio

Samania Agropecuária

Samania Agropecuária

Doces Gotas de Mel

Doces Gotas de Mel

Publicidade

.

.
SEMENTES SERTÃO

Você bilíngue

Publicidade II

Ads

terça-feira, 21 de maio de 2013

PF apreende 700 kg de peixes de comercialização proibida na Ceagesp

Espécie corre risco de extinção e tem comercialização proibida pelo Ibama.
Duas empresas vendiam o pescado; proprietários foram detidos.


Cação-viola tem pesca proibida devido ao risco de

extinção (Foto: Reprodução/PF)
A Polícia Federal apreendeu cerca de 700 kg de peixes de comercialização proibida na Ceagesp, na Zona Oeste de São Paulo, na manhã desta terça-feira (21). A espécie recolhida é a rhinobatos horkelli, conhecida como cação-viola ou raia-viola, que corre sério risco de extinção. Duas pessoas foram presas na operação.


Após seis meses de investigação, a PF identificou duas empresas que comercializavam irregularmente a espécie na Ceagesp. Aproximadamente 38 peixes foram apreendidos e levados para a Superintendência da Polícia Federal, na Lapa, também na Zona Oeste da capital.

As empresas estavam regularizadas, mas agora estão sujeitas às sanções administrativas e multas aplicadas pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). Segundo a polícia, os responsáveis pelas empresas apresentaram notas fiscais, porém, elas não continham a espécie proibida.

Ainda de acordo com a polícia, os dois proprietários foram detidos e responderão, na medida de suas participações, por crime ambiental. As penas podem chegar a três anos de detenção ou multa.

Em nota, a Ceagesp informou que "embora a ação da Polícia Federal tenha sido realizada de surpresa, a fiscalização da Companhia prestou todo o apoio". A Ceagesp informou ainda que, desde 2010, não há registro de irregularidades desse tipo no pavilhão, onde são comercializados por dia cerca de 150 toneladas de pescado.

G1 São Paulo
Postar um comentário

Publicidade II