Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Destaque

Palestra Sustentabilidade Regional realizada 24 de maio em Maracaju, MS

Alcir Muller, diretor e presidente da Revista Ambiente Global A equipe Ambiente Global agradece as autoridades que se fizeram presente ...

Jaburu Distribuidora

Jaburu Distribuidora

Rei das Latas

Rei das Latas

Redes Sociais

Fazenda Beira Rio

Fazenda Beira Rio

Samania Agropecuária

Samania Agropecuária

Doces Gotas de Mel

Doces Gotas de Mel

Publicidade

.

.
SEMENTES SERTÃO

Você bilíngue

Publicidade II

Ads

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Vazão lenta da última cheia atinge índice histórico no Pantanal

A situação anormal de agora deixa os pantaneiros apreensivos

Antes aliviados, produtores rurais agora já se preocupam
com a duração da cheia  
(Foto: Silvio Andrade)
O complexo sistema hidrológico do Pantanal, intercalado por ciclos de cheia e seca, passa por um período inusitada em mais de um século de acompanhamento e registro de níveis do Rio Paraguai e seus tributários: depois de uma enchente considerada normal, cujo pico foi em junho, na régua de Ladário, a planície continua inundada em agosto, mês de ocorrência de grandes incêndios na região.


A lenta vazão destas águas acumuladas desde o início do ano pelas chuvas intensas na planície e cabeceiras do Rio Paraguai e afluentes, em Mato Grosso, já estava prevista pelo monitoramento feito pela Embrapa Pantanal. 

No entanto, o bioma ainda se mantém como uma esponja encharcada, reduzindo em menos de um centímetro diário, em alguns pontos, o volume de água armazenado em seis meses.

À complexa combinação das contribuições pluviométricas dos dez diferentes pantanais no mesmo ecossistema, cujas lagoas e baías funcionam como reguladores de vazão, acrescenta-se ainda a baixa declividade da planície, de aproximadamente 40 cm/km, de leste a oeste, e de 2 cm/km, de norte a sul. Durante as maiores cheias, alaga-se uma área de aproximadamente 30.000 km². 

Em alerta

A situação anormal de agora deixa os pantaneiros apreensivos: a área de pasto foi reduzida, o gado está magro e essa água pode manter-se até o novo período de chuvas, que começa em novembro.

“É uma água comprida, demorada; ela se espalhou mais este ano”, resume o pecuarista Emílio César Miranda de Barros, que tem propriedade na subregião do Paiaguás (norte de Corumbá). 

A influência de inundação se observa ao transitar pela rodovia BR 262, que corta o Pantanal de Miranda a Corumbá. Os campos estão alagados, contrastando com a floração dos ipês roxo e amarelo. Nesta época de estiagem é comum a presença do fogo nas margens da rodovia, contudo Corumbá está fora do mapa de queimadas em agosto, depois de liderar a incidência de focos em anos anteriores, situação amenizada pela cheia.

A concentração de água inclui o leito dos principais rios. O Paraguai ainda transborda, inundando casas de ribeirinhos nas proximidades de Corumbá e Ladário, onde a régua da Marinha registrava, ontem, 4,66 metros. Em Porto Esperança, está a 1,10 metro acima do nível registrado no mesmo período de 2013, ano de pequena cheia. Aquidauana e Miranda também acumulam mais água.

Nabileque

Na régua centenária de Ladário, ponto de maior vazão do Rio Paraguai, o volume de água baixou 79 centímetros desde o pico da cheia deste ano (5,42 metros), em 13 de junho. Em 2011, quando ocorreu uma das maiores enchentes, atingindo 5,62 metros na mesma régua, o nível do rio baixou mais rapidamente: 1,40 metro em 80 dias. No ano passado, a vazão foi de 2,89 metros no mesmo período.

Na régua de Bela Vista do Norte, divisa de Mato Grosso do Sul com Mato Grosso, de baixa declividade e morraria, o Paraguai subiu 6,30 metros em 20 de junho e baixou apenas 1,28 metro em 98 dias. Na cheia de 2011, o nível do rio reduziu-se em 2,08 metros em 102 dias. Em Cáceres (MT), o nível do rio é 1,48 metro inferior à redução (4,12 metros) registrada em 2011, em 165 dias.

A lenta vazão se manifesta mais claramente na subregião do Nabileque, ao sul, entre o distrito de Porto Esperança (Corumbá) e Porto Murtinho, região que absorve a água dos afluentes Miranda, Aquidauana, Taquari, Negro e Abobral. A régua em Murtinho, influenciada também pelas chuvas na Bolívia e no Paraguai, reduziu-se apenas 24 centímetros desde o pico da cheia, que foi de 7,16 metros, no dia 20 de junho.

Correio do Estado
Postar um comentário

Publicidade II