Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Destaque

Palestra Sustentabilidade Regional realizada 24 de maio em Maracaju, MS

Alcir Muller, diretor e presidente da Revista Ambiente Global A equipe Ambiente Global agradece as autoridades que se fizeram presente ...

Fazenda Beira Rio

Fazenda Beira Rio

Samania Agropecuária

Samania Agropecuária

Doces Gotas de Mel

Doces Gotas de Mel

Publicidade

.

.
SEMENTES SERTÃO

Você bilíngue

Publicidade II

Ads

segunda-feira, 10 de agosto de 2015

Brasileiro clica marlim azul atacando corrida das sardinhas na África do Sul

Fenômeno marinho ocorre quando corrente fria 'empurra' milhões de peixes.Fotógrafo precisou de 35 dias para ter boas condições para o mergulho.



(Foto: Daniel Botelho)

Com uma carreira de 10 anos de mergulho e fotografia ao lado de grandes animais marinhos, o fotógrafo brasileiro Daniel Botelho conseguiu registrar um acontecimento daqueles em que é preciso estar no lugar certo e na hora certa. Na África do Sul, ele clicou uma bola de sardinhas, parte da corrida das sardinhas, atraindo diversos predadores, entre eles um marlim azul, que raramente é visto em ação predatória.

O fotógrafo brasileiro Daniel Botelho viajou pela África do Sul
rebocando um bote para clicar a corrida das sardinhas
(Foto: Ane Calixto/ Arquivo pessoal)
A corrida das sardinhas é um dos maiores fenômenos marinhos e ocorre na costa da África do Sul entre maio e julho, quando uma corrente marítima fria vinda do sul “empurra” milhões de sardinhas para perto da costa. Fotografar a migração dos cardumes depende de sorte para contar com alguns fatores, como um bom clima, o mar calmo e uma boa visibilidade debaixo d’água.

Para Daniel conseguir ficar três horas ao lado do cardume de milhares sardinhas, foram precisos 35 dias e uma operação terrestre, marítima e aérea. A expedição de Daniel saiu da Cidade do Cabo, cruzou a costa do sul do país para East London, passou pela região de Transkaai, e terminou no vilarejo de Ndumbi, onde, depois de três semanas de saídas para o mar, encontrou as boas condições para o clique. A expedição se deslocava rebocando um bote de acordo com o que um avião que sobrevoava o mar reportava sobre as condições para o mergulho.

“As esperanças já estavam baixas quando de repente vimos um grupo grande de cerca de 300 mergulhões do cabo mergulhando na água. Para nós, mergulhadores, eles são o maior sinal de que existe algum tipo de movimento abaixo daquela superfície”, conta Daniel Botelho.

A cerca de 15 metros abaixo da superfície do mar, o fotógrafo encontrou uma bola de sardinhas de cerca de 8 metros de diâmetro sendo disputada por outro predadores além dos mergulhões, como golfinhos, atuns e um marlim azul.

O golfinho é o personagem principal dessa história abaixo do mar. Ele solta bolhas de ar para brecar as sardinhas. As bolhas cercam os peixes, que se aglomeram em um círculo, alvo do ataque dos predadores.

Das três horas de baixo da água, Daniel conviveu cinco minutos com o grande peixe marlim azul, que raramente é visto atacando outros peixes. Na região, pescadores, biólogos e engenheiros de pesca lhe disseram que nunca tinha-se fotografado o animal em ação.

“Quando se passa uma hora nessa bola pode-se dar pulos de alegria. Eu consegui ficar 3 horas e ainda tive essa cereja no bolo que foi esse marlim azul. Prendi um pouco a respiração, porque as bolhas afugentam os animais, e fiquei estático, tentando ficar imperceptível mediante aquela ação”, diz Daniel Botelho.

Avistar a corrida das sardinhas era mais comum no passado, quando os cardumes chegavam a 40 quilômetros e podiam ser vistos do espaço. “Ano após ano tem se tornado cada vez mais escasso esse cardume. Alguns dizem que é o aquecimento global, a mudança climática, até a sobrepesca dessas sardinhas na região. Não sei o que gera [a escassez], mas muito provavelmente nos próximos 10 anos não vai ser mais possível observar”, lamenta o fotógrafo.


(Foto: Daniel Botelho)

(Foto: Daniel Botelho)

(Foto: Daniel Botelho)

(Foto: Daniel Botelho)

(Foto: Daniel Botelho)




G1
Postar um comentário

Publicidade II