Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Destaque

Palestra Sustentabilidade Regional realizada 24 de maio em Maracaju, MS

Alcir Muller, diretor e presidente da Revista Ambiente Global A equipe Ambiente Global agradece as autoridades que se fizeram presente ...

Jaburu Distribuidora

Jaburu Distribuidora

Rei das Latas

Rei das Latas

Redes Sociais

Fazenda Beira Rio

Fazenda Beira Rio

Samania Agropecuária

Samania Agropecuária

Doces Gotas de Mel

Doces Gotas de Mel

Publicidade

.

.
SEMENTES SERTÃO

Você bilíngue

Publicidade II

Ads

domingo, 25 de outubro de 2009

Pesquisadores do Tamar descobrem "peixe geleia" e moreia gigante


Moreia: mais de um metro de comprimento
  


O peixe tem excesso de gordura na cabeça

Brasília (22/10/2009) – Duas descobertas feitas por pesquisadores do Projeto Tamar, do Instituto Chico Mendes, movimentam os meios científicos ligados à biodiversidade marinha. Primeiro, foi uma espécie de peixe, que ganhou o nome de “cabeça de geleia”, e, depois, um bicho semelhante a uma moreia que mede mais de um metro. Conservados em formol, eles foram enviados para estudos a fim de que sejam confirmados como novas espécies. Os animais habitam águas profundas e foram capturados no litoral baiano por meio de anzóis circulares.
O oceanógrafo Guy Marcovaldi, chefe do Centro Nacional de Pesquisa e Conservação de Tartarugas Marinhas, centro especializado do Instituto Chico Mendes que mantém o Projeto Tamar, disse que, de acordo com as primeiras avaliações, o “cabeça de geléia” faz parte de uma superordem exclusiva da família Ateleopodidae, que tem quatro gêneros (Ateleopus, Parateleopus, Guntherus e Ijimaia) e 12 espécies conhecidas no Caribe, Atlântico e Pacifico. O exemplar descoberto na Praia do Forte, onde foram feitas as pesquisas, pode ser a 13ª espécie.
O peixe ganhou esse nome porque apresenta excesso de gordura na parte frontal. Sua cabeça, grande e mole, parece mais um monte de geleia. Ele tem ainda esqueleto largamente cartilaginoso e focinho bulboso. O exemplar, capturado a uma profundidade entre 200 e mil metros, mediu quase dois metros de comprimento.
A descoberta ocorreu no início de setembro. No mesmo mês, especialistas da Universidade Federal da Bahia (UFBA) ratificaram a importância do fato. “O animal já foi confirmado como uma possível espécie nova, apesar de ainda não termos recebido a certidão de nascimento”, afirma Guy. A certidão é, na prática, a publicação da pesquisa em alguma revista científica de prestígio internacional, dando conta do achado. Os pesquisadores já providenciaram a divulgação.
Menos de um mês depois, em 1º de outubro, Marcovaldi capturou, também com o anzol circular, outra espécie marinha aparentemente nova: ela tem forma de moreia, mede 1,21 metro e pesa 3,5 quilos. Os pesquisadores ficaram impressionado com mais essa descoberta, principalmente porque foi feita na mesma área e profundidade em que foi encontrado o “cabeça de geleia”. Isso mostra que a biodiversidade da região precisa ser ainda mais investigada.



Ascom/ICMBio/MMA
Postar um comentário

Publicidade II