Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Destaque

Palestra Sustentabilidade Regional realizada 24 de maio em Maracaju, MS

Alcir Muller, diretor e presidente da Revista Ambiente Global A equipe Ambiente Global agradece as autoridades que se fizeram presente ...

Jaburu Distribuidora

Jaburu Distribuidora

Rei das Latas

Rei das Latas

Redes Sociais

Fazenda Beira Rio

Fazenda Beira Rio

Samania Agropecuária

Samania Agropecuária

Doces Gotas de Mel

Doces Gotas de Mel

Publicidade

.

.
SEMENTES SERTÃO

Você bilíngue

Publicidade II

Ads

quarta-feira, 25 de novembro de 2009

Ibama autua siderúrgicas por comprar carvão ilegal no PA

SÃO PAULO - As empresas Companhia Siderúrgica do Pará (Cosipar), Sidenorte Siderurgia Ltda e Sidepar Siderurgia do Pará S.A. foram flagradas por fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) comprando 1.520 m³ de carvão ilegal, o equivalente a 26 caminhões cheios, de uma firma de fachada, criada apenas para comercializar créditos florestais. De acordo com o órgão, as empresas tiveram seus acessos ao Sisflora (sistema que faz o controle do fluxo de madeiras e subprodutos florestais) bloqueados. As siderúrgicas ainda terão os estoques irregulares apreendidos.



Com a autuação, as empresas ficam impedidas de emitir novas Guias Florestais (GF), o documento que acompanha todo produto da flora nativa no Pará. Até a suspensão do bloqueio pelo Ibama, as indústrias não podem comprar carvão. A Cosipar, com capacidade instalada de um milhão de toneladas ano, é a maior siderúrgica do Estado.



O esquema de venda de crédito às siderúrgicas foi descoberto por meio de auditoria no Sisflora. O sistema é gerido pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente. Uma única empresa, a LA Baseggio, criada há três meses no Sisflora, chamou a atenção dos fiscais do Ibama por ter comercializado 9 mil metros cúbicos, entre madeira e carvão, com 39 companhias neste curto período.



A multa para cada siderúrgica pode chegar a R$ 1 milhão, por apresentar informação enganosa aos sistemas oficias de controle ambiental, além de mais R$ 300 por cada m³ de carvão adquirido sem licença válida. As empresas têm 20 dias para recorrer. 



SOLANGE SPIGLIATTI - Agência Estado

Postar um comentário

Publicidade II