Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Destaque

Palestra Sustentabilidade Regional realizada 24 de maio em Maracaju, MS

Alcir Muller, diretor e presidente da Revista Ambiente Global A equipe Ambiente Global agradece as autoridades que se fizeram presente ...

Fazenda Beira Rio

Fazenda Beira Rio

Samania Agropecuária

Samania Agropecuária

Doces Gotas de Mel

Doces Gotas de Mel

Publicidade

.

.
SEMENTES SERTÃO

Você bilíngue

Publicidade II

Ads

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Filhote de onça atropelado em BR é sacrificado em Campo Grande


Onça de cinco meses de idade foi encontrada na terça-feira (5), na BR-359.
Animal estava com fratura de vértebra e ruptura de medula espinhal.


Cirurgia seria inviável por causa de ruptura de medula espinhal (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

A onça parda fêmea, de cinco meses de idade, que havia sido atropelada na BR-359, em Alcinópolis, a 387 quilômetros de Campo Grande, teve que ser sacrificada nesta quarta-feira (6). O animal teve fratura compressiva de 13ª vértebra toráxica e ruptura total de medula espinhal, o que impossibilitava qualquer procedimento cirúrgico.
O veterinário Ricardo Salomão, da Uniderp-Anhanguera, disse que até haveria possibilidade de cirurgia por conta da fratura. “A gente tenta fazer isso em cães e gatos e já é difícil, em um animal silvestre é dez vezes mais difícil”, disse. Mas, por causa da ruptura total de medula espinhal, este procedimento seria impossível.
Para a eutanásia, segundo Salomão, a onça foi submetida a pré-medicação anestésica para que fosse sedada e, posteriormente, anestesia geral. Em seguida, foi aplicada uma dose de cloreto de potássio, que provocou a parada cardiorrespiratória.
A onça foi encontrada na terça-feira (5) por um caminhoneiro que passava pela rodovia. Ele chamou a polícia e o animal foi transferido para o Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (Cras), em Campo Grande.
Onça parda fêmea, de cinco  meses, foi encontrada na terça-feira (5). (Foto: Divulgação/Polícia Civil)Do G1 MS
Postar um comentário

Publicidade II