Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Destaque

Palestra Sustentabilidade Regional realizada 24 de maio em Maracaju, MS

Alcir Muller, diretor e presidente da Revista Ambiente Global A equipe Ambiente Global agradece as autoridades que se fizeram presente ...

Jaburu Distribuidora

Jaburu Distribuidora

Rei das Latas

Rei das Latas

Redes Sociais

Fazenda Beira Rio

Fazenda Beira Rio

Samania Agropecuária

Samania Agropecuária

Doces Gotas de Mel

Doces Gotas de Mel

Publicidade

.

.
SEMENTES SERTÃO

Você bilíngue

Publicidade II

Ads

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Com lagarta em 4 municípios, ministério decreta emergência em MS

Lagarta é ameaça à soja, um dos principais componentes da
economia do Estado. (Foto: Divulgação)
O Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento) declarou estado de emergência fitossanitária em Mato Grosso do Sul devido ao risco de surto da praga Helicoverpa armigera. A lagarta é ameaça à soja, um dos principais componentes da economia do Estado. O decreto permite a importação de agrotóxico ainda sem registro no País.
A portaria 1.260, publicada na edição de hoje do Diário Oficial da União, tem validade de um ano. O documento é assinado pelo ministro Antônio Andrade.
O pedido da Seprotur (Secretaria do Desenvolvimento Agrário, Produção, Indústria, Comércio e Turismo) ao Ministério da Agricultura foi feito no dia 2 de dezembro, após a confirmação da lagarta em três municípios: Naviraí, São Gabriel do Oeste e Chapadão do Sul. Agora, a praga foi identificada em Maracaju. “Mas está absolutamente controlado. Estamos monitorando e não há motivos para alardes”, afirma a secretária Tereza Cristina Corrêa da Costa Dias.
Segundo o pesquisador da Fundação Chapadão, Germison Tomquelski, o potencial de destruição é grande. “Pode chegar a 100%”, afirmou, em entrevista no começo de dezembro. Ele salienta que a lagarta é uma praga diferente. “Tem uma alta taxa reprodutiva, ataca diversas culturas e ela apresenta uma tolerância maior aos inseticidas do que as outras pragas, é mais resistente”, explica o pesquisador sobre o novo “inimigo” dos produtores.
O Mapa já decretou emergência fitossanitária na Bahia, Mato Grosso, Goiás, parte de Minas Gerais e Piuaí. O documento permite o uso de agrotóxico que ainda não tem registro. Dentre as medidas de combate, estão o vazio sanitário, adoção de áreas de refúgio e a destruição de restos da cultura.
A importação de produtos agrotóxicos, que tenham como ingrediente ativo a substância Benzoato de Emamectina, também está autorizada. As propriedades que utilizarem a substância serão acompanhadas por fiscalização.

Campo Grande News
Postar um comentário

Publicidade II