Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Destaque

Palestra Sustentabilidade Regional realizada 24 de maio em Maracaju, MS

Alcir Muller, diretor e presidente da Revista Ambiente Global A equipe Ambiente Global agradece as autoridades que se fizeram presente ...

Fazenda Beira Rio

Fazenda Beira Rio

Samania Agropecuária

Samania Agropecuária

Doces Gotas de Mel

Doces Gotas de Mel

Publicidade

.

.
SEMENTES SERTÃO

Você bilíngue

Publicidade II

Ads

sábado, 17 de outubro de 2009

Programa Córrego Limpo, Cidade Viva

   O Córrego Limpo, Cidade Viva constitui-se num programa de monitoramento da qualidade de água dos córregos urbanos com o objetivo de avaliar a evolução da qualidade da água auxiliando na tomada de decisões do órgão gestor, promover a melhoria da qualidade de vida mediante a preservação dos recursos hídricos, propiciando sua despoluição.
    O programa conhecido como Córrego Limpo foi lançado em março do presente ano, especificamente no dia 16 de março de 2009 em comemoração à semana da água no município de Campo Grande – MS.
    É uma iniciativa da prefeitura municipal que conta com a colaboração de outros parceiros e que necessitará da participação ativa da comunidade campo-grandense.
    O programa de monitoramento proposto baseou-se primeiramente na determinação de uma rede de monitoramento (definição da localização dos pontos). Após definida a rede de monitoramento determinou-se como e por quem seriam realizadas as coletas e as análises das amostras de qualidade de água. Concluída a etapa anterior foram implantados dois bancos de dados, sendo um banco para cadastramento dos resultados das análises, e outro para o levantamento das possíveis fontes de poluição que possam afetar a qualidade das águas superficiais.
    A rede de monitoramento proposta tem por objetivo avaliar a evolução da qualidade da água dos córregos urbanos e democratizar tais informações, determinar a adequabilidade para os usos propostos da água, verificar os locais críticos de qualidade da água propiciando assim ações preventivas e de controle.
    Inicialmente, os corpos d’água foram divididos por microbacia hidrográfica e analisados conforme suas peculiaridades. Esta divisão em microbacia permite saber qual a área de contribuição para cada curso d’água.
    Os pontos, estrategicamente escolhidos, levaram em conta os locais onde se têm instalados empreendimentos ou atividades que lançam seus efluentes nos córregos, bem como nascentes e confluências de córregos (pontos de diluição ou contribuição).
    Nestes pontos são realizadas trimestralmente coletas de amostras e feitas análises laboratoriais de terterminados parâmetros. Os parâmetros analisados no presente programa de monitoramento, foram dividos em duas classes: parâmetros que buscam representar uma fonte específica de contribuição (fábricas, indústrias, Estações de Tratamento de Esgoto – ETE’s) e parâmetros que buscam representar fatores de diluição e contribuição (pontos de confluência entre córregos, pontos de nascentes).    Aqueles estão sendo determinados pela Divisão de Fiscalização e Monitoramento Ambiental – DFMA da Semadur conforme a tipologia de cada empreendimento/atividade.
    Os parâmetros que buscam representar fatores de diluição e contribuição são compostos basicamente pelos parâmetros do IQACetesb.
    Os métodos a serem utilizados na análise dos parâmetros seguirão as metodologias do Standard Methods for the Examination of Water and Wastewater.
    As coletas estão sendo realizadas por bacia hidrográfica, conforme metodologias de coletas sugeridas pela literatura. No caso específico as coletas são realizadas com a utilização de balde e frascos próprios para cada tipo de parâmetro (figura 1). Os parâmetros temperatura, pH e oxigênio dissolvido são analisados no momento da coleta por meio de um medidor multiparâmetro digital, os demais assim que chegarem ao laboratório.




Coleta de amostra no ponto Lag 05 (córrego Lageado)

    Os resultados obtidos passam por um cálculo matemático e são comparados com a Resolução Conama 357/2005 e transformados em um índice numérico – o IQACETESB – que é interpretado comparando-se com uma escala numérica e, conforme o valor, indicam se a qualidade da água está: péssima, ruim, regular (aceitável), boa ou ótima (figura 02).



Parâmetros, pesos e variações de qualidade água para IQACETESB

    Os resultados das análises, além de constituir um banco de dados da evolução da qualidade da água do município, subsidiam todas às demais ações do programa. É possível, por exemplo, saber qual o trecho do curso d’água está mais poluído, informação importante para que se possa identificar quais as principais fontes poluidoras.
    Em pontos amostrados experimentalmente antes da implantação do programa pôde-se constatar que existem elevadas concentrações de coliformes termotolerantes em nossos córregos, de maneira geral, o que pode ser um indicativo de poluição difusa, ocasionada principalmente pelo lançamento clandestino de esgoto doméstico nas galerias de águas pluviais. Essas informações mostram a necessidade de uma campanha efetiva de educação ambiental da população sobre a importância do correto destino ao esgoto doméstico.
    Por este motivo que os resultados das análises, após sua interpretação, são amplamente divulgados no município para que a comunidade local saiba como estão as condições dos córregos da região em que reside e lembre-se de sua responsabilidade como cidadão campo-grandense para preservar um bem coletivo.
    O programa não tem previsão de término e deverá ser aperfeiçoado para que se possa promover a melhoria da qualidade de vida da população do município e garantir os recursos hídricos às gerações futuras.


Fonte: www.pmcg.ms.gov.br
Postar um comentário

Publicidade II