Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Destaque

Palestra Sustentabilidade Regional realizada 24 de maio em Maracaju, MS

Alcir Muller, diretor e presidente da Revista Ambiente Global A equipe Ambiente Global agradece as autoridades que se fizeram presente ...

Jaburu Distribuidora

Jaburu Distribuidora

Rei das Latas

Rei das Latas

Redes Sociais

Fazenda Beira Rio

Fazenda Beira Rio

Samania Agropecuária

Samania Agropecuária

Doces Gotas de Mel

Doces Gotas de Mel

Publicidade

.

.
SEMENTES SERTÃO

Você bilíngue

Publicidade II

Ads

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

PMA/MS é modelo para outras polícias ambientais


 Posto da Polícia Militar Ambiental em Três Lagoas/MS.


Uma das pioneiras e mais eficientes no policiamento ambiental brasileiro, a Polícia Militar Ambiental de Mato Grosso do Sul vem trabalhando há mais de 23 anos pela preservação do meio-ambiente e formação da consciência da população do Estado.

Criada em 1990 para combater a caça ao jacaré, a PMA/MS foi expandindo suas responsabilidades. Fiscalizou a regularidade dos garimpos no Estado e há mais de 12 anos vem coibindo a pesca predatória e o desmatamento. Dividida em 22 unidades, hoje é responsável pela fiscalização de 358.158,8 Km², sendo 86.260 Km² somente no Pantanal.

 “Nossa função principal é o policiamento fardado, ostensivo e preventivo na preservação dos recursos naturais e pela educação ambiental. Desde o começo temos obtido êxito em nossas atividades. Hoje se fala em superpopulação de jacaré, não existe garimpo irregular no Estado e temos apreendido e autuado constantemente pessoas que insistem em praticar a pesca predatória e desmatamento", analisou o major Carlos Sebastião Matoso Braga, comandante da PMA/MS.

Os bons resultados fazem da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul exemplo para outras PMAs do Brasil. A maneira de proteger os peixes em época de desova é copiada por outros Estados. Um dos primeiros do país a impedir a pesca no período de piracema, MS tem um esquema de fiscalização integrado que garante tranqüilidade para os animais e renovação dos recursos pesqueiros.

 “Durante a piracema temos equipes trabalhando 24 horas por dia, com policiais acampados na beira do rio ou em pequenos barcos acompanhando o cardume para que ele possa subir o rio e desovar. Tudo é monitorado. A fiscalização é mais eficaz, mas também muito mais desgastante para o policial que fica exposto às intempéries, animais peçonhentos e mosquitos", explicou o comandante da PMA/MS.

Pesca desportiva

A inspeção feita pela Polícia Militar Ambiental não acontece apenas no período de reprodução dos peixes. A ação dos pescadores é monitorada durante todo o ano. Por isso é necessário estar atento às regras.

Em primeiro lugar é preciso ter a carteirinha de pescador amador, a chamada autorização ambiental para pesca desportiva. Também é necessário usar os equipamentos corretos. Materiais como tarrafas, redes e armadilhas são proibidos nos rios do Estado.

O pescador precisa saber ainda que no Mato Grosso do Sul só é permitido levar 10Kg de peixe, mais um exemplar e cinco piranhas, e que esse pescado deve ser conferido e lacrado nos postos de fiscalização para então ser transportado regularmente para qualquer ponto do país.

Caso desrespeite a legislação, o pescador pode ser punido em três esferas: administrativa (com o pagamento de multa e perda do material), criminal (um a três anos de prisão por pesca predatória) e cível (reparação de danos ao meio-ambiente).

Desmatamento

A preservação da mata nativa é outra prioridade da PMA/MS. Para garantir que áreas protegidas não sejam desmatadas os policiais militares ambientais usam recursos como monitoramento via satélite e operações localizadas com apoio da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e em casos especiais do IBAMA.

Entre os dias 17 e 23 de agosto, a PMA/MS e o IBAMA se reuniram para averiguar denúncias de exploração irregular de madeira. Na ocasião foram apreendidos 218m³ de lenha e seis pessoas autuadas por desmatamento irregular. Apreensões como essas são quase rotina na PMA/MS. Segundo o Major Matoso, isso se deve ao fato do Estado ser um corredor para madeira extraída ilegalmente em outras regiões.

A exploração de propriedades rurais também é alvo de vistoria técnica pela PMA/MS. O objetivo é evitar o desmatamento da cobertura vegetal nativa. Por força de lei, 20% da área devem ser preservados em estado natural. "E essa reserva legal não é onde o proprietário quer, nem é espalhada pela propriedade. Depois de um estudo define-se a área para podermos formar um corredor ecológico com as reservas das propriedades vizinhas", disse o major Matoso.

O combate às queimadas é outra prioridade da PMA/MS. Os policiais fazem palestras para conscientizar sobre os riscos do uso do fogo na limpeza de áreas e as conseqüências dessa prática. Além disso, auxiliam no controle e extinção das chamas.

Tráfico de animais

A Polícia Militar Ambiental também se preocupa com a preservação da fauna nativa. Os pássaros são as principais vítimas de tráfico. De acordo com o comandante da PMA/MS, os canoros e os papagaios são os preferidos dos compradores. A dificuldade é que para combater esse tipo de crime faz-se necessária uma mudança de comportamento, já que são os próprios fazendeiros, moradores e crianças que retiram os pássaros dos ninhos ou os caçam e entregam para os traficantes.

O esquema de fiscalização, porém, evita que muitos animais sejam vendidos e consegue, com a ajuda do Centro de Reabilitação de Animais Silvestres (CRAS), devolvê-los à natureza. No ano passado, em apenas uma apreensão, a PMA/MS recuperou 400 papagaios. 



História


Até o ano de 1987, a Polícia Militar (PM) limitava-se a prestar apoio ao Instituto de Controle Ambiental, órgão responsável pela fiscalização ambiental no Estado naquela época, contribuindo com pessoal, armamento e equipamentos. Com a extinção do órgão naquele ano, a PM passou a desenvolver todas as atividades de fiscalização tanto em ambiente urbano quanto no rural.


Logo após, foi ativada a Companhia Independente de Polícia Militar Florestal, com sede em Corumbá e efetivo de 80 homens. Naquela época, o policiamento e a fiscalização destinavam-se a coibir de forma repressiva a caça de jacarés, crime ambiental muito praticado no pantanal na década de 1980. Já no ano 2000, a unidade teve o nome alterado para Companhia Independente de Polícia Militar Ambiental, título considerado mais condizente com a fiscalização exercida ao longo dos anos.


Atualmente com um efetivo de 380 homens distribuídos em 22 unidades, a Polícia Militar Ambiental de Mato Grosso do Sul (PMA) é responsável pela fiscalização ambiental ao longo do território de quase 358 mil quilômetros quadrados de Mato Grosso do Sul. A prioridade é a fiscalização preventiva desenvolvida nos rios e em propriedades rurais, áreas de proteção ambiental e unidades de conservação.


A meta da PMA é evitar a degradação ambiental, com o intuito de conservar os recursos naturais sul-mato-grossenses. Porém, devido à extensão territorial do Estado, nem sempre isso é possível. Nestes casos, a PMA tem a competência de reprimir aqueles que infringem a legislação ambiental.


Através de convênios administrativos com órgãos ambientais federais como o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) e estaduais como a Secretaria de Estado de Meio Ambiente, das Cidades, do Planejamento, da Ciência e Tecnologia (SEMAC) e do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul (IMASUL), a PMA tem registrado uma média de 1.800 autos de infração por ano.





 

Postar um comentário

Publicidade II