Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Destaque

Palestra Sustentabilidade Regional realizada 24 de maio em Maracaju, MS

Alcir Muller, diretor e presidente da Revista Ambiente Global A equipe Ambiente Global agradece as autoridades que se fizeram presente ...

Jaburu Distribuidora

Jaburu Distribuidora

Rei das Latas

Rei das Latas

Redes Sociais

Fazenda Beira Rio

Fazenda Beira Rio

Samania Agropecuária

Samania Agropecuária

Doces Gotas de Mel

Doces Gotas de Mel

Publicidade

.

.
SEMENTES SERTÃO

Você bilíngue

Publicidade II

Ads

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Sete municípios de Mato Grosso do Sul são reconhecidos como livres de praga da banana


Brasília - Sete municípios de Mato Grosso do Sul são agora considerados área livre da sigatoka negra, praga que atinge a bananeira. O reconhecimento de Aparecida do Taboado, Cassilândia, Chapadão do Sul, Inocência, Paranaíba, Selvíria e Três Lagoas foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) desta quinta-feira (21), Instrução Normativa Nº 3, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Com a decisão, os produtores de banana desses municípios podem comercializar para qualquer outro estado do País. Atualmente, além dos sete municípios sul-mato-grossenses, são consideradas áreas livres da praga os estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Sergipe e Tocantins. Alguns municípios dos estados de Minas Gerais e Mato Grosso também são reconhecidos pelo Mapa como áreas livres de sigatoka negra.

Sigatoka negra - A praga é causada por um fungo (Mycosphaerella fijiensis) e atinge, primeiramente, as folhas mais novas da bananeira, causando estrias (linhas) marrons. Com o avanço da doença, as folhas têm morte prematura e os prejuízos podem chegar até 100% da plantação.

Desde 2001, o Ministério da Agricultura trabalha no combate, controle e prevenção da sigatoka negra, por meio de controle químico e do monitoramento do trânsito de plantas, que apenas podem ser removidas para outras unidades da federação quando originárias de áreas livres ou sob sistema de mitigação de risco para a praga. (Laila Muniz)


Postar um comentário

Publicidade II