Campo Grande, Mato Grosso do Sul

Destaque

Palestra Sustentabilidade Regional realizada 24 de maio em Maracaju, MS

Alcir Muller, diretor e presidente da Revista Ambiente Global A equipe Ambiente Global agradece as autoridades que se fizeram presente ...

Jaburu Distribuidora

Jaburu Distribuidora

Rei das Latas

Rei das Latas

Redes Sociais

Fazenda Beira Rio

Fazenda Beira Rio

Samania Agropecuária

Samania Agropecuária

Doces Gotas de Mel

Doces Gotas de Mel

Publicidade

.

.
SEMENTES SERTÃO

Você bilíngue

Publicidade II

Ads

quinta-feira, 19 de maio de 2011

Campo Grande - MS normatiza programa de coleta e reciclagem de óleo


O Programa Municipal de Coleta e Reciclagem de óleos de origem vegetal (óleo de cozinha) e seus resíduos foi oficialmente instituído, com a publicação esta semana da lei complementar nº 174 (de 03 de maio de 2011), no Diogrande (Diário Oficial de Campo Grande). A meta do programa é estabelecer medidas de reaproveitamento do óleo vegetal para minimizar os impactos ambientais que seu despejo inadequado pode provocar.

Entre as finalidades da iniciativa estão: evitar a poluição dos recursos hídricos e solo; informar a população quanto aos riscos ambientais causados pelo descarte inadequado de óleo vegetal na rede de esgoto e as vantagens ambientais, econômicas e sociais de seu reaproveitamento; incentivar a prática da reciclagem do produto de fontes domésticas, comerciais e industriais; favorecer o aproveitamento econômico da reciclagem do óleo de cozinha, desde a coleta, transporte e revenda, até os processos industriais de transformação.

Os artigos quinto e sexto da nova lei são dirigidos aos grandes geradores de óleo vegetal, ou seja, os que utilizam e descartam mais de 50 litros do produto por mês. As empresas que trabalham com manipulação de alimentos em geral são obrigadas a implantar o programa de coleta do óleo vegetal e destiná-lo ao reaproveitamento (na produção de resina para tintas, sabão, detergente, glicerina, ração para animais, cosméticos, biodiesel ou outros derivados). Os profissionais que trabalham em feiras, mercados, hotéis, restaurantes e condomínios residenciais também devem ter métodos de coleta do óleo de cozinha.

O parágrafo único da lei complementar define as penalidades previstas para os infratores. Está previsto: advertência e notificação para sanar a irregularidade (prazo de 48 horas sob pena de multa no valor de R$ 500,00). Nos casos em que persistir a infração pode ocorrer a suspensão do alvará de licença e funcionamento da empresa e, decorrido o prazo de 60 dias, a cassação, interdição e lacração do estabelecimento. Os grandes geradores de óleo vegetal têm prazo de 180 dias para se adequarem à nova lei.

De acordo com o secretário municipal do Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano, Marcos Cristaldo, a lei nº 174 será um instrumento de fiscalização para os grandes geradores do óleo de cozinha. “Estamos adotando medidas de preservação do meio ambiente, evitando a contaminação dos lençóis freáticos, o entupimento das instalações sanitárias, a impermeabilização do solo, a destruição de fossas e sumidouros, além do encarecimento, em torno de 40%, do tratamento da rede de esgoto”, enumerou.

Destino domiciliar do óleo de cozinha -: Em novembro do ano passado a Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano (Semadur) lançou o Programa de Coleta do Óleo de Cozinha Usado. Foram instalados na cidade quatro ecopontos: no Mercado Municipal Antônio Valente (Mercadão), na Feira Central, no Jardim Bálsamo e no São Conrado.

A medida, segundo Cristaldo, buscou “estimular o munícipe a separar o resíduo do óleo comestível (que pode ser acondicionado em garrafas pet) e destiná-lo aos ecopontos. Precisamos despertar a consciência ambiental na população”, destacou.

O levantamento feito pela Semadur revela que nos domicílios de Campo Grande são descartados, mensalmente e de forma irregular, cerca de 140 mil litros de óleo vegetal. A poluição preocupa o poder público, uma vez que cada litro do produto descartado irregularmente é capaz de contaminar dez milhões de litros de água dos lençóis freáticos.



MS Notícias
Postar um comentário

Publicidade II